Estudo sugere que o trauma permanece no tempo presente – 07/12/2023 – Equilíbrio – Zonatti Apps

Estudo sugere que o trauma permanece no tempo presente – 07/12/2023 – Equilíbrio

Na raiz do transtorno de estresse pós-traumático, ou TEPT, está uma memória que não pode ser controlada. Ela pode interferir na atividade diária, lançando uma pessoa no meio de um evento horrível, ou surgir como pesadelos ou flashbacks.

Décadas de tratamento de veteranos militares e sobreviventes de agressão sexual deixaram poucas dúvidas de que as memórias traumáticas funcionam de maneira diferente das outras memórias. Um grupo de pesquisadores da Universidade de Yale e da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai, em Nova York, propôs-se a encontrar evidências empíricas dessas diferenças.

A equipe realizou exames cerebrais em 28 pessoas com TEPT enquanto ouviam narrações gravadas de suas próprias memórias. Algumas das memórias gravadas eram neutras, algumas eram simplesmente “tristes” e algumas eram traumáticas.

Os exames cerebrais encontraram diferenças claras, relataram os pesquisadores em um artigo publicado na semana passada na revista Nature Neuroscience. As pessoas que ouviam as memórias tristes, que muitas vezes envolviam a morte de um membro da família, mostraram um envolvimento consistente do hipocampo, parte do cérebro que organiza e contextualiza as memórias. Quando as mesmas pessoas ouviram suas memórias traumáticas —de agressões sexuais, incêndios, tiroteios em escolas e ataques terroristas— o hipocampo não estava envolvido.

“O que nos diz é que o cérebro está em um estado diferente nas duas memórias”, disse Daniela Schiller, neurocientista da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai e uma das autoras do estudo. Ela observou que as terapias para o TEPT frequentemente procuravam ajudar as pessoas a organizar sua memória para que pudessem vê-la como distante do presente.

“Agora encontramos algo que potencialmente pode explicar isso no cérebro”, disse ela. “O cérebro não parece estar em um estado de memória; parece estar em um estado de experiência presente.”

De fato, os autores concluem no artigo que “as memórias traumáticas não são experimentadas como memórias como tais”, mas como “fragmentos de eventos anteriores, subjugando o momento presente”.

As memórias traumáticas pareciam envolver uma área diferente do cérebro: o córtex cingulado posterior, ou CCP, que geralmente está envolvido em pensamentos direcionados internamente, como introspecção ou devaneio. Quanto mais graves eram os sintomas de TEPT da pessoa, mais atividade aparecia no CCP.

O que é impressionante nessa descoberta é que o CCP não é conhecido como uma região da memória, mas sim como uma região envolvida no “processamento da experiência interna”, disse Schiller.

As descobertas alimentam uma questão muito debatida no campo do trauma: os clínicos devem encorajar as pessoas com TEPT a se exporem às suas memórias mais traumáticas?

Nos últimos anos, muitos americanos têm adotado tratamentos como a terapia de exposição prolongada e o processamento e dessensibilização por movimentos oculares, ou EMDR, que revisitam as memórias traumáticas na esperança de drená-las de sua força destrutiva. Ilan Harpaz-Rotem, um dos autores do artigo, disse que as novas descobertas sugeriam que revisitar a memória era um elemento crítico do tratamento.

“Você está ajudando o paciente a construir uma memória que pode ser organizada e consolidada no hipocampo”, disse Harpaz-Rotem, professor de psiquiatria e psicologia na Universidade de Yale.

Ele descreveu um caso de sua clínica: um médico do exército era assombrado por uma imagem fragmentada de seu passado, de bandagens frenéticas em um ferimento de soldado enquanto estava sob fogo. Na terapia, tentando “construir uma história, uma memória coerente”, o clínico ajudou o médico a preencher detalhes ao redor daquela cena, incluindo um soldado morto que estava próximo, tiros ao fundo e o uso em pânico de muitas bandagens.

PUBLICIDADE

Idealmente, esses tratamentos podem ajudar a transformar a memória traumática em uma que se assemelhe mais às memórias tristes comuns. “É como ter um bloqueio no lugar certo”, disse ele. “Se eu posso acessar uma memória, eu sei que é uma memória. Eu sei que não está acontecendo comigo agora.”

Ruth Lanius, diretora de pesquisa em TEPT na Universidade de Western Ontario, que não estava envolvida no estudo, descreveu suas descobertas como “seminal” porque estabelece que as memórias traumáticas têm caminhos distintos e porque indica que os mecanismos-chave para a memória traumática podem envolver áreas menos examinadas do cérebro.

Muitas pesquisas sobre o TEPT têm se concentrado na amígdala, o centro de detecção de estresse do cérebro, e no hipocampo, disse ela. O córtex cingulado posterior está “realmente envolvido na revivência de memórias” e na busca de auto-relevância, o que pode explicar por que um lembrete sensorial pode causar medo ou pânico avassaladores.

“Um soldado, se ouvir fogos de artifício, pode correr e se proteger”, disse Lanius. “As memórias traumáticas não são lembradas; elas são revividas e reexperienciadas.”

Clínicos, ela disse, podem usar essas descobertas para tratar pacientes que “não sentem que o trauma acabou”, empregando terapias que “trazem à tona o contexto, para que você saiba, ‘Ah, isso aconteceu no passado'”. Ela disse que os pesquisadores devem explorar terapias, como a atenção plena, que são conhecidas por ativar as partes do cérebro que fornecem contexto.

Se marcadores biológicos para o TEPT puderem eventualmente ser identificados, seria “uma grande contribuição científica”, resolvendo diferenças dentro do campo sobre quais experiências constituem um trauma, disse Brian Marx, diretor adjunto da Divisão de Ciências Comportamentais do Centro Nacional de TEPT, que não estava envolvido no estudo.

Embora a maioria dos especialistas concorde que acidentes de veículos, agressões sexuais ou combate militar sejam eventos traumáticos, há discordância sobre se experiências como racismo ou estresse pandêmico devem ser consideradas como base para um diagnóstico de TEPT, disse ele.

“É uma das questões fundamentais do campo”, disse ele. “É um debate com o qual ainda lutamos, porque não temos uma resposta para isso.”

Marx chamou a nova pesquisa de “intrigante”, mas não conclusiva, observando que ela não incluiu um grupo de comparação de sujeitos sem diagnóstico de TEPT, não especificou há quanto tempo ocorreram os eventos traumáticos nem especificou se os sujeitos já haviam recebido psicoterapia.

E ele disse que não era provável que resolvesse os debates sobre se os tratamentos para o TEPT devem incluir exposição a memórias traumáticas, uma vez que a literatura sobre os resultados do tratamento mostra que as respostas são altamente individualizadas.

“Dizer que isso é uma prova positiva realmente ignora a realidade de que nossos tratamentos são imperfeitos”, disse ele. “Eles não funcionam da mesma forma para todos.”

Este artigo foi originalmente publicado no The New York Times.

Deixe um comentário